A alimentação na gravidez

A alimentação torna-se especialmente importante nesta fase da vida da mulher e ao longo de toda a gravidez. Fruta e vegetais são essenciais mas outros são os aspectos a ter em conta. Segundo a Dra Marcela Forjaz:

~ ingerir cerca de duas chávenas e meia de vegetais por dia e duas chávenas de fruta;

~ ingerir um vegetal verde-escuro (brócolos, espinafres, grelos de nabo ou de couve, nabiças, espargos…) e um cor de laranja ou avermelhado (tomate, cenoura, pimento, rabanete, abóbora, laranja…) diariamente;

~ consumir os vegetais da forma mais natural possível, sem adicionar sal ou açúcar. Preferir ervas aromáticas ao sal e, no caso de salada de frutas, não adicionar açúcar. Congelados ou enlatados são permitidos;

~ é preferível fazer sumos em casa, sem adicionar açúcar ou adoçantes – não ultrapassar a “ração” de fruta recomendada para o dia;

~ preferir cereais integrais: pão integral, arroz ou massas integrais, cereais de pequeno-almoço integrais… cerca de uma chávena por dia. E, claro, estes devem ser pobres em gorduras, açúcar ou sal;

~ ingerir cerca de três chávenas de leite magro ou meio-gordo por dia. Se preferir, substitua essa quantidade de leite por iogurtes e queijo. Bebidas de soja enriquecidas são também uma opção;

~ evitar carnes vermelhas. Substituir pela soja, feijão, lentilhas e tofu;

~ para quem come carne, esta deve ser magra, aves, sem gordura. Prefira cozidos, estufados e grelhados aos fritos;

~ ingerir duas refeições de peixe por semana, pelo menos;
~ escolha o azeite como gordura na alimentação. Acrescente o azeite às sopas no final da cozedura apenas;
~ prefira sempre a água. Reduza o consumo de bebidas açucaradas, álcool e cafeína (um café por dia apenas).
Um conselho que a Dra dá ainda: ao pequeno-almoço, comer um kiwi ou beber um sumo de laranja antes dos cereais é uma boa forma de obter uma “ração extra de ferro para o dia”.

 

 

Anúncios

Recomendo…

Para as grávidas recentes que não sabem por onde começar em termos de literatura – a oferta é tão vasta que podemos ficar a olhar para as estantes como um burro a olhar para um palácio… “O Grande Livro da Grávida”, da Dra. Marcela Forjaz.

Parece-me uma escolha sensata para começar porque dá uma perspectiva mais focada na grávida, focando imensos aspectos desde a preparação para a concepção, alimentos mais acertados, exames médicos a fazer, cada trimestre da gravidez, várias reflexões sobre o parto e as suas possibilidades, conselhos vários… Sendo um livro escrito por uma ginecologista de renome, ainda para mais.

E vocês têm sugestões boas?

preparar a gravidez

É o primeiro passo a dar para que tudo corra bem ao longo desta etapa. Uma preparação física, claro está, mas também psicológica através de meditação e procura de boas energias. Na minha humilde opinião, o mais importante é saber que este é o momento certo e de que os pais tudo farão para o bem-estar da criança que estão dispostos a colocar no mundo.

Quais os passos a dar então para preparar uma gravidez?

~ ir a uma consulta pré-concepcional. Recorrer ao médico de família ou ginecologista atempadamente é crucial para avaliar o estado físico na mulher. Aqui vão fazer-se o rastreio do cancro do colo do útero, através de citologia, análises que vão testar a imunidade à rubéola, toxoplamose, sífilis, entre outros. Deve levar-se o boletim de vacinas – podemos ter que levar alguma vacina antes de engravidar, como a vacina anti-tetânica, por exemplo;

~ eliminar a ingestão de bebidas alcoólicas, tabaco, café, drogas…;

~ praticar exercício físico de forma moderada – marcha, por exemplo;

~ escolher fazer uma alimentação saudável. Preferir vegetais e fruta. Reduzir consumo de sal e gorduras (o que vai reduzir o risco de diabetes e hipertensão durante a gravidez);

~ avisar o médico que a acompanha dos medicamentos que estiver a tomar – possivelmente, terão de ser suspensos antes da gravidez;

~ iniciar a toma de ácido fólico (receitado pelo médico), cerca de 3 meses antes de engravidar. Este vai contribuir para a diminuição de malformações do feto, a nível do tubo neural, permitindo um bom desenvolvimento do sistema nervoso central do bebé;

Não custa nos prepararmos um bocadinho, não acham? Afinal vamos dar vida!

Sobre o blog

E porquê mais um blog sobre a temática da maternidade?

Desde muito cedo sinto um interesse muito grande pela área da educação.
Não sendo essa a minha formação profissional, fui-me tornando auto-didacta e, através da leitura e observação de pessoas, tornou-se claro para mim os caminhos que queria percorrer um dia, quando me tornasse mãe.

A responsabilidade que engloba a criação de um ser humano é algo que levo muito a sério e que se tem tornado uma paixão cada vez maior para mim.

Agora que me coube o privilégio de ser mãe e assim entrar num mundo que me deixa encantada, pensei que poderia ser interessante partilhar as minhas ideias com outras mulheres, sendo elas mães ou não.

Que se torne claro que não sou, de forma alguma, fundamentalista com os meus ideais ou crenças, no que à maternidade diz respeito. Acredito que cada mãe sabe, melhor do que ninguém, o que é melhor para a sua cria.

Este espaço vai de encontro a quem eu sou e focar-se-á na maternidade natural. Assim sendo, falarei sobre as minhas aprendizagens seguindo sempre de perto o que outras mulheres tiverem para me ensinar.

Obrigada por estarem desse lado!

Quando nasce uma mãe

A partir de que momento nasce uma mãe?

Quando põe o seu bebé neste mundo? Quando o olha e segura nos braços pela primeira vez?

Ou uma mulher que carrega no seu ventre um ser que ainda não conhece mas por ele já sente amor?…

Eu acho que me tornei mãe quando o meu coração começou a dançar assim: